CARAVANA DA CORAGEM – O STAR WARS “SESSÃO DA TARDE” PARA OS PEQUENINOS!

Quando eu era pequeno, com uns 4 anos de idade, lembro vivamente da felicidade de ir com meus pais ver pela primeira vez Star Wars! Foram muitas explosões, magia e pura adrenalina na telona do cinema! Luke e sua irmã com os Ewoks na lua de Endor, vivendo altas aventuras! Com o jovem Luke usando seu colete de piloto, atirando com seu Blaster e conseguindo, no final, salvar seus pais! Que filme! Feliz e sorridente, eu sai do cinema para tomar sorvete e sorrir sob o sol! Bons tempos, hein?

Mas com o passar dos anos eu notei que aquele garoto que parecia o jovem fazendeiro de umidade de Tatooine não era bem o Luke Skywalker. Na verdade não tinha nada a ver com o Luke. E a irmã do Skywalker não era uma menininha de cinco anos de idade e sim a princesa Leia Organa, na qual ele já havia dado um belo beijo na boca em o Império Contra Ataca. E que os pais de Luke e Leia não faziam bem o perfil de “família feliz” que eu vi no meu primeiro Star Wars, porque, pasmem, eu finalmente havia entendido que eu, o pequeno e inocente garoto, que mal sabia ler e escrever na época, tinha visto apenas um spin-off da saga Star Wars: A CARAVANA DA CORAGEM!

Ursinhos e crianças fofinhas. Como não amar este filme?

A história de Caravana surgiu da ideia da Lucasfilm de fazer um filme para TV com seus fofos ursinhos carinhosos de Endor, os Ewoks. No início queriam um especial de 30 min, porém nenhuma TV americana estava disposta a isso (lembrem-se que existe um passado macabro de especial de TV de Star Wars, devido ao legado do inesquecível “Especial de Natal” de 1978). Bom, no final a rede ABC abraçou a ideia, porém desejou que o projeto fosse reformulado para um telefilme para ocupar 2hs na grade da emissora. Após o acerto o filme foi produzido para então ser lançado em novembro de 1984 na televisão americana e posteriormente nos cinemas ao redor do mundo (como no caso do Brasil).

O enredo em si é o mais básico e infantil possível, focado realmente para a garotada: Situado no período entre episódio V e VI, a nave espacial da família Towani acabou caindo na lua de Endor. O filho mais velho Mace, o cosplay de Luke, e a pequena filha Cindel acabaram se perdendo dos pais. Que, na procura pelos seus filhos, foram raptados por uma espécie de Ogro gigante, o malvado Gorax! Mace e Cindy ficam sozinhos, escondidos na nave, até serem acolhidos pelos Ewoks, que irão ajudá-los a salvar seus genitores.

Mace, o aborrecente cosplay de Luke

Claro que antes da caravana partir para o resgate temos todo um processo de estranhamento, com direito ao Mace dando uma de Anakin e querendo matar os doces e pacíficos Ewoks. Na verdade, o Mace é o típico adolescente chato, toda hora tenta fazer algo desnecessário, brigando com os pobres dos Ewoks que só estão tentando ajudar aquele aborrecente mimado que vive armado com um blaster e disparando em qualquer coisa que se mova! (E olha que ele é o “herói” do filme, hein?). Bom, com muito custo e com uma enorme dose de paciência dos Ewoks, ele finalmente percebe que eles estão ali para ajudar (isso, lógico, depois deles terem salvado a vida dele umas duas vezes e a irmã do Mace de uma terrível infecção).

Bom, em busca de conselho, o ewok Wicket e seus amigos levam os Towani até o xamã da aldeia, o velho Logray. Fazendo uma espécie de sessão Endor de mesa branca, com direito a pião da casa própria rodando em cima de um tabuleiro de madeira, Logray consegue visualizar onde os pais dos garotos estavam e o grande perigo que teriam que enfrentar para salvá-los.

Ai então se forma a Sociedade do Anel, digo, a Caravana da Coragem. Todos recebem itens mágicos do velho xamã, como uma bengala para Wicket, uma vela para Cindel e uma pedra para Mace (que, obviamente, reclama do presente). A eles se unem uma maga Ewok, Chukha-Trok, um lenhador Ewok e uma fadinha da floresta. No caminho vão vivendo perigos e aventuras que fazem o Mace finalmente repensar a vida e dar valor aos seus pequenos companheiros de jornada.

No final eles chegam até o covil de Gorax, enfrentando uma enorme aranha gigante (que quem assistiu quando criança não teve como esquecer) e o terrível ogro, que mantinha os pais das crianças presos numa gaiola! Graças aos esforços da Caravana da Coragem e o heroico sacrifício de Chukha-Trok, conseguem vencer o vilão e salvar o dia. Importante frisar um aspecto salutar dessa película: Antes de entrar no covil do vilão, os Ewoks adultos pediram que as crianças pequenas aguardassem seguras do lado de fora. Ou seja, se os Ewoks estivessem em Ameaça Fantasma, jamais que Anakin passaria os riscos que ele passou! Questão do mínimo de bom senso, amigos!

E no final só alegrias! A família Towani finalmente reunida, numa linda festa na aldeia Ewok! Que belo encerramento para uma pequena criança sair feliz do cinema e fã da franquia, né? Pois é! Mesmo com seu limitado orçamento e maquiagens tenebrosas para os pobres Ewoks, que mal piscam o olho ou movem a boca, a película cumpre seu papel de entreter os pequenos e seus pais.

Esse é Caravana da Coragem, um filme que me recordo com carinho até hoje! E nada, nem seus efeitos datados ou seu roteiro simplório, irá mudar isso! Isso, lógico, se apagarmos da mente que no ano de 1985 foi lançado sua sequência intitulada a “Batalha de Endor”, no qual a Lucasfilm simplesmente resolveu matar Mace e seus pais logo nos primeiros 10 minutos de filme, deixando a pequena Cindel órfã, a aldeia Ewok incendiada e em frangalhos, e os sobreviventes a mercê de uma terrível força invasora, presos e escravizados, com direito a Wicket consolando a pobre Cindel em prantos. Eh, amigos! É muito melhor ficar com as boas memórias da infância mesmo…

Avalie a matéria

Pai Fader

Pai fader - Um homem de bem com a vida, cheio de espiritualidade, com uma visão holística sobre esse misterioso mundo pop