Farofa de Domingo #007: Dokken – Breaking the Chains (1982)

Dokken foi uma das primeiras e mais bem sucedidas bandas americanas de rock farofa, vendendo mais de 10 milhões de álbuns em todo o mundo. Apesar de formada em 1979, seu primeiro álbum só foi gravado em 1982. A alma da banda é formada pelo simpático e versátil Don Dokken (fundador e praticamente dono, afinal é o sobrenome dele que vem nas capas e em todo material comercial) e pelo excelente George Lynch na guitarra solo. A banda tocou junto até 1989, e após um hiato de quatro anos, voltou em 1993. Atualmente ainda se encontra em atividade, mas com apenas um integrante original. Quem seria? Don Dokken, claro.

A primeira banda de Don Dokken foi a Airborn, formada em 1976. Sempre atuando por Los Angeles, principalmente na famosa Sunset Strip. Com o fim da banda em 1978, ele criou uma nova, agora sob o nome de Dokken, gravando um single em 1979. Dokken conseguiu emplacar duas turnês pela Alemanha e, em 1981, conseguiu um contrato de gravação com a Carrere Records, intermediado pelo empresário do Accept. O álbum “Breaking the Chains” foi inicialmente lançado sob o nome de “Don Dokken” antes de ser alterado para simplesmente “Dokken” nas prensagens subsequentes. Enquanto estava na Alemanha, Don Dokken também participava da gravação do novo álbum dos Scorpions, “Blackout” (falamos dele semana passada), já que o vocalista Klaus Meine foi forçado a se submeter a uma cirurgia nas cordas vocais e seu retorno era incerto. De volta aos Estados Unidos, Dokken assinou com a Elektra Records (gravadora que buscava um pioneirismo de mercado abraçando as novas bandas de metal nos anos 80 e foi a primeira gravadora de muitas bandas de Los Angeles). Embora a banda fosse muito popular na Europa durante esses primeiros anos, eles ainda não haviam feito progresso comercial nos Estados Unidos.

Durante essa época, ainda no início da década de 1980, Dokken abriu para bandas como Judas Priest, AC / DC, Aerosmith, Dio e Kiss, entre outras. Além de ter um sobrenome bem legal, Dokken fez um material bastante honesto dentro do estilo. Ele não só é um reconhecido “gente boa” no meio do cenário musical, como também sua competência lhe garantiu a composição de músicas para vários outros artistas, bem como a produção de outras bandas, como o Antix, o Great White e o XYZ, por exemplo.

Avalie a matéria