Ouvimos “Blue Hearts”, novo disco de Bob Mould!

Poucos artistas são tão bem reconhecidos no mundo do rock alternativo como Bob Mould, figura clássica e sempre lembrado pelos seus ótimos vocais e notas agressivas e frenéticas na sua guitarra Flying V nos tempos de Hüsker Dü! Ali ele foi fundamental para a solidificação da cena do rock alternativo, que ditou os próximos passos do que seria a regra no rock dos anos 90.

Desde que a sua famosa banda acabou no fim dos anos 80, Mould trabalhou em carreira solo e também lançou o Sugar, banda que teve destaque no começo da primeira metade dos anos 90 com hits como “Helpless” e “If I Can Change Your Mind”. Porém, é fato que, desde o fim dos anos 80, ele estava em outra “vibe” musical, algo mais cadenciado e um pouco distante do hardcore punk cru e intenso que foram a base para a clássica banda.

Isso foi uma verdade até o último disco da sua excelente carreira solo, “Blue Hearts”, chegar às lojas no dia 25 de Setembro, pela Merge Records. E esse “soco no estômago” foi de fato bem surpreendente.

Indo totalmente na contramão de seu último álbum, o alegre e leve “Sunshine Rock” do ano passado, o inacreditável “Blue Hearts” é um disco que mostra que Bob Mould tinha muita coisa guardada que precisava vir a tona, e isso não poderia ser feito de uma forma melhor.

Com 14 faixas que alternam momentos extremamente altos, berros e muitos sentimentos de recusa ao momento que estamos vivendo, “Blue Hearts” tem uma melodia que concatena essa energia com muita qualidade e experiência musical, sem deixar a alma hardcore punk de lado.

É inevitável recordar de discos clássicos como “Flip Your Wig” e “New Day Rising” do Hüsker Dü ao ouvir “Blue Hearts”, principalmente em canções como “Next Generation”, “Fireball”, “Siberian Butterfly”, “Racing To The End”, “Little Pieces”, “Password To My Soul” e “American Crisis”, um single do mais puro hardcore punk como poucos poderiam criar.

Todo esse “back to basics” faz com que “Blue Hearts” se torne uma experiência até certo ponto familiar, porém totalmente reformulada para os tempos atuais, e esse é um grande ponto positivo para esse lançamento. De fato, é um álbum que merece a conferida o quanto antes, pois realmente é um deleite poder ouvir Bob Mould revisitando suas origens.

Você encontra esse álbum nas principais plataformas digitais.

E ai, curtiu esse disco? Não esqueça de nos contar o que achou de “Blue Hearts” amigo Popnauta. PMA!

Avalie a matéria

Renan Rennxxx

Fã incondicional de quadrinhos dos anos 90 (maior década), colecionador de quadrinhos, LPs e Straight Edge desde 1987. Gibis no acrílico, pizza e Anaheim Ducks são outras paixões. PMA sempre!