SERGIO ARAGONÉS ESMAGA STAR WARS!

Olar, Popnautas! Como vão? Creio que todos já ouviram falar do bárbaro Groo, o errante? Ou de clássicos como “Sergio Aragonés Massacra a Marvel?”, ou “Sérgio Aragonés Destrói a DC?”, ambos de 1996? E “Fanboy” de 1999? Todos do Sergio Aragonés com seu eterno parceiro Mark Evanier?

Não?

Amigo Popnauta, seja sincero com o velho Fader: Você já leu alguma revista MAD na vida? Se leu, já deve ter se batido com pelo menos uma tirinha desse gênio do humor. Conhecido pelos amigos e fãs como “O cartunista mais rápido do mundo” e um dos mais talentosos também.

Bom, depois de prêmios e mais prêmios e de “destruir” a Dc e “massacrar” a Marvel, ele resolveu, no ano de 2000, dar uma passadinha no mundo de George Lucas com seu velho amigo Evanier, dessa vez pelo selo Dark House.

A história começa com o sempre serelepe Aragonés, feliz por estar indo conhecer a Lucas Film. Ele e o Mark estão com um projeto para fazer uma revista em quadrinhos para a Dark House sobre Star Wars (pura metalinguagem). Evanier, sempre aflito com o que seu desenhista favorito possa aprontar, pede para que ele se comporte, e não faça bobagens, como da vez que fez um monte com purê de batata num jantar com Spielberg (referência bizarra a Contatos Imediatos do 3 Grau). Triste, Sergio joga seu sabre jedi fora e entra nos estúdios da Lucasfilm.

Lá dentro, Aragonés dá de cara com um terrível fato: os rolos de filmes da trilogia original estão sendo digitalizados! E Aragonés entra em desespero com a possibilidade de destruição dos rolos e com isso nunca mais ver Star Wars! Como gênio científico que é, Sergio decide averiguar como se dá o processo de digitalização, mas o inesperado acontece e um invejoso cineasta independente adentra no estúdio e resolve colocar bombas no prédio na Lucasfilm, dando um curto no sistema eletrônico que faz Aragonés ser transportado para dentro da Trilogia!

Devido a seu porte hispânico e charmoso bigode, Sergio é imediatamente confundido com o piloto da aliança e amigo de infância de Luke, Briggs Darklighter. Depois de se dar conta que ele iria para uma missão suicida para destruir a Estrela da Morte, Aragonés resolve desertar mas, heroicamente, volta atrás, depois de receber “juras de amor” da princesa Leia.

Óbvio que Aragonés vacila e sai da formação do esquadrão, levando seu X-Wing para comprar tacos num fast food interplanetário. Após ser atingido, ele grita por socorro, o filme é avançado por Evans e ele vai parar em Dagobah, onde tem um encontro místico com o mestre Yoda, que faz de tudo para se livrar dele.

Após pedir carona, Sergio e seu volumoso bigode são confundidos com um Wookie e Chewie resolve embarcá-lo na Millennium Falcon, porém nossos heróis sofrem uma emboscada na cidade das nuvens do planeta Bespin! Era o temido Dark Vader! Que por meio da Força (e do bom senso) sentiu que Aragonés não pertencia àquele lugar e era seu dever eliminá-lo!

E agora? O que será do nosso jedi, digo, cartunista?!? Graças à Força o fantasminha camarada “Obi-Juan” aparece e manda Sergio largar de bobagem e abraçar a farsa! (Não a Força, e sim a farsa, a palhaçada, a paródia, pois nosso amigo jamais teria as condições mínimas de manipular a Força). Iluminado pelo mestre jedi, Aragonés saca sua arma mais poderosa: o lápis! E começa a desenhar paródias do Lord Sith. Diante de tamanho poder, Dark Vader nada pode fazer a não ser se render.

Fecha para a cena final de Uma Nova Esperança, com Aragonés recebendo a medalha no lugar de Luke e Leia fazendo juras de amor. Acionistas e investidores assistiam a tudo horrorizados junto com um George Lucas atônito. Enraivecidos saíram da sala de projeção e nisso aparece o invejoso cineastra independente que havia acabado de plantar as bombas no estúdio e agora iria explodir a todos! (Uhahahahaha!)

Mas como num passe de imagem (e num grande esforço da equipe para retirar o Aragonés da película digital) Sergio sai do sistema de projeção e como um poderoso Jedi ataca o homem bomba e retira de suas mãos o detonador! Que herói, amigos! Porém o alívio foi por pouco tempo e Aragonés resolve apertar o botão de detonação achando que era apenas um controle remoto de tv…

Corta para o epílogo, Mark e Sergio estão numa banca de revistas, sem emprego, expulsos da Dark House e da Lucasfilm (que agora não existia mais depois da explosão de todo o conglomerado). Ao fundo, um pobre George Lucas mendicante com a placa “dirijo filmes por comida!”.

Esse, amigos, é apenas um dos exemplos da dupla Aragonés e Evanier. Caso tenha curtido, vale a pena conhecer o grande trabalho do Sergio em suas tiras na Mad, na sua arte em Groo, o errante e em seus especiais na Marvel e na Dc. Um dos maiores cartunistas do mundo fazendo o que faz de melhor: Humor!

Avalie a matéria

Pai Fader

Pai fader - Um homem de bem com a vida, cheio de espiritualidade, com uma visão holística sobre esse misterioso mundo pop