Quarentena Musical – [Dia 147] – Suffer – Lone

Abrindo caminho para as bandas um pouco obscuras porém excepcionais, o nome do Suffer é um dos mais relevantes e que não devem ser esquecidos jamais.

A banda nasce em Perth na Austrália e fica ativa entre 2007 até 2013, se solidificando como quarteto e fazendo um som violento à enésima potência, juntando tudo que há de pior no powerviolence, hardcore e um pouco de grindcore para essa receita matadora de banda.

Com uma discografia curta porém muito impactante, seu único disco completo se chama “Lone” e foi lançado na Austrália e Nova Zelândia em 2010 nos formados de LP e K7 pela gravadora Midnight Funeral.

Para fãs de bandas como Extortion, Infest, Cripple Bastards, Crossed Out e Rash of Beatings, o álbum “Lone” é um prato cheio que deve ser degustado com muito prazer. Com uma sonoridade insana, vocais berrados até não poder mais e instrumental muito variada usando e abusando dos tempos velozes e pesados, o disco é rápido e empolgante. Com apenas 16 minutos de duração e 12 faixas, sendo “Drown” a principal responsável por ocupar quase todo o lado A, todas as demais faixas raramente ultrapassam um minuto de duração em uma sequência enlouquecera do mais puro powerviolence/grindcore.

Algumas faixas que são muito bacanas são “Away”, “In My Face”, “No Time To Coexist”, “Destroy/Amuse”, “Drown”, “Forcefed”, “Manipulated”, “Lone”, “Numbered” e “Veins”, se tornando um disco impecável em sua totalidade. Infelizmente o que pega é que ele é tão bom que passa rápido demais.

Você pode (ou não) curtir esse estilo mais extremo e violento de hardcore, mas tenha certeza que poucos discos soam tão bem e tão impactantes quanto a obra máxima do Suffer.

Você pode ouvir esse disco no link abaixo.

E amanhã tem mais! PMA!

Avalie a matéria

Renan Rennxxx

Fã incondicional de quadrinhos dos anos 90 (maior década), colecionador de quadrinhos, LPs e Straight Edge desde 1987. Gibis no acrílico, pizza e Anaheim Ducks são outras paixões. PMA sempre!