Os Dez Melhores Personagens – Que Não São Marvel Ou DC!

Amigo popnauta, como vai a quarentena? Está tomando todos os cuidados? Com certeza, você precisou se adaptar a esse novo mundo de isolamento, máscaras e álcool em gel, com a produção cultural enfrentando dilemas inéditos.

Não é mais possível fazer shows, não dá mais pra lançar grandes filmes no cinema e – aí é que nós queremos chegar – não dá pra querer que as pessoas continuem saindo de casa pra comprar seus gibis.

Claro, gibis digitais já são uma realidade e vêm conquistando cada vez mais espaço. Mas vamos fazer um exercício de imaginação aqui e ir um pouco mais longe, ok? Imagine um mundo sem Marvel ou DC!

Complicou, né? Mas existe um monte de grandes publicações por outras editoras – com personagens incríveis! Nós já fizemos rankings aqui das maiores sagas da Marvel e da DC, usando os critérios de pontuação da Fórmula 1 (textos que você pode conferir clicando aqui e aqui)- agora é a vez de listarmos os melhores personagens fora do eixo Marvel/DC!

É bem simples: pesquisei internet afora os “maiores personagens que não são Marvel ou DC” e foquei nas dez primeiras listas que apareceram. Quando um personagem aparece em primeiro na lista, ganha 23 pontos; o que aparece em segundo, ganha 18 – e assim por diante, conforme os critérios de pontuação usados atualmente na categoria máxima do automobilismo!

Então prepare-se, popnauta! É hora de darmos atenção pros maiores personagens que não são publicados pelas gigantes! É hora de desbravar novos mundos, novos universos e dar uma chance pra personagens incríveis em histórias fantásticas! Vamos lá!

10 – Concreto

Criado por Paul Chadwick, Concreto é um homem preso num grotesco e invulnerável corpo de pedra criado por alienígenas! Parece bizarro? Pois esse é um dos gibis mais humanos, tocantes, realistas, comoventes e pés-no-chão já feitos! Tentando usar seu corpo disforme e indestrutível para propósitos nobres, Concreto já teve diversas publicações lá fora pela Dark Horse Comics – e cada uma delas vale o investimento!

9 – Marv

O que ainda há pra ser dito sobre Frank Miller que seja novidade? Cavaleiro das Trevas e Queda de Murdock são dois divisores de águas – não só para Batman e Demolidor, ou a DC e a Marvel, mas para a própria indústria dos quadrinhos! Não é surpresa nenhuma que Miller tenha deixado uma marca tão profunda com sua própria criação, a série noir Sin City. Marv é um personagem trágico, um durão que, no fundo, tem um bom coração – o difícil é chegar nele, mas tudo bem. Sin City é uma leitura divertidíssima e Marv acabou virando uma figura emblemática da vida e obra de Miller.

8 – Juiz Dredd

EU SOU A LEI! O Juiz Dredd surgiu nas páginas da lendária publicação britânica 2000 AD em 1977 e, aos poucos, foi conquistando cada vez mais espaço. Hoje é impossível pensar em quadrinhos britânicos sem fazer uma associação imediata com o severo juiz de Mega City – ou sem nos lembrarmos de seus dois filmes para o cinema, que conquistaram o status de cults, por diferentes motivos. O gibi? Ah, cara… é sensacional! Nunca esquecer da edição em que Dredd prende o Papai Noel por estar voando sem habilitação!

7 – Spirit

Com uma produção tão rica, do tipo que ajudou a definir e redefinir a indústria (poucos podem se gabar de algo assim), Will Eisner pode se dar ao luxo de ter qualquer um dos seus trabalhos citados entre os maiores gibis de todos os tempos. No campo dos super heróis, sua contribuição foi o Spirit: um combatente do crime mascarado que ajuda a polícia – mas nunca ficou presa a um gênero. Indo do noir ao romance, passando por comédia, terror, mistério e ação, o que não faltou foi a sensibilidade única de Eisner. Citado como referência entre os maiores – e leia-se aí gente do gabarito de Alan Moore e Frank Miller – Eisner e o Spirit são leitura obrigatória para entendermos a própria mídia dos quadrinhos!

6 – O Sombra

Quem sabe o mal que se esconde nos corações dos homens? Surgido antes mesmo de Superman ou Batman, o Sombra brilhou em revistas pulp, gibis, programas de rádio, TV e nada mais, nada menos que CINCO filmes! Claro, a tendência é lembramos apenas da maior (e mais recente) produção, estrelada por Alec Baldwin em 1994. Mas a verdade é que, em anos recentes, o Sombra voltou a brilhar nos quadrinhos da editora Dynamite, e tem frequentado as páginas dos gibis desde então. Um clássico com várias fases memoráveis, o Sombra segue sendo um dos grandes nomes dessa indústria vital – e nós aguardamos ansiosamente para ouvir sua funesta gargalhada mais uma vez!

5 – Asterix

Criado no longínquo ano de 1959 por René Goscinny e Albert Uderzo, Asterix é um dos grandes gibis do século XX. Focado em um vilarejo de gauleses que tenta se defender da ocupação romana no ano 50 a/c, os heróis Asterix e seu amigo Obelix usam uma poção criada pelo druida Panoramix para ganhar super-força e partir pra porrada! Ambos viajam para terras distantes, encontram figuras históricas e já foram traduzidos para mais de 111 línguas no mundo todo. Com isso, claro que já foram transportados para outras mídias: noves animações e quatro live action, bem como um parque temático nos arredores de Paris. São uma das grandes contribuições dos quadrinhos franceses à Nona Arte, tornando-se ícones culturais no mundo todo, com publicações divertidíssimas e cheias de espírito!

4 – Invincible

Robert Kirkman sabe escrever títulos de sucesso. Sua outra criação, o gibi The Walking Dead, virou uma série de TV tão bem sucedida, com direito a spin-off, que caiu no imaginário popular como sinônimo do gênero zumbi. Mas em Invincible ele explorou ao máximo os diversos clichês do gênero super-heróis: repleta de drama, ação e emoção, Invincible mostra as aventuras de um adolescente que se descobre super-poderoso – e como ele se adapta a essa nova vida e sua sinistra linhagem! Foram 144 edições de mais esse marco da história da Image Comics!

3 – Spawn

O Soldado do Inferno de Todd McFarlane pode ser acusado de muitas coisas: não é original, vazio de ideias, inconstante… Nada disso realmente importa. Um gibi divertido, a despeito de seus reboots, foi o primeiro grande sucesso da Image Comics – e olha que a editora foi bem rica nesse sentido em seus primeiros meses. McFarlane segue à frente de sua criação com mãos de ferro, prometendo um novo filme já há algum tempo e mantendo a publicação ininterrupta já por mais de 300 edições. Que exemplo.

2 – Tartarugas Ninja

Eu realmente achava que Spawn estaria em segundo, mas não dá pra negar a popularidade das Tartarugas Ninja, absolutas desde 1984 nos corações de milhões de leitores dos gibis e, claro, do público que arrebanharam com filmes, videogames e principalmente as séries animadas na televisão. Tudo se mostrou acertado, desde as escolhas dos nomes, a origem, vilões… Um conceito bizarro que deu muito certo, e ainda mostra fôlego pra ficar no mercado por muitos e muitos anos.

1- Hellboy

Para surpresa de zero pessoas, a criação de Mike Mignola se estabelece inquestionável na primeira posição. Após dois filmes pelo visionário diretor Guillermo Del Toro e um reboot, o que realmente fica é o clima de horror gótico dos gibis, temperado com muito bom humor e um elenco de apoio fascinante. Hellboy não foi apenas uma voz levantada contra o domínio das duas maiores editoras do mercado, foi um respiro numa época em que os quadrinhos tentavam pegar carona no sobrenatural a base de muitos músculos e corpos femininos expostos. Era brilhante na ideia e na execução e permanece sendo um dos melhores gibis já feitos.

Eu sei, popnauta, eu sei… Falta muita coisa nessa lista. Gibis sensacionais, como Bone, Sailor Moon, Witchblade e Liga Extraordinária foram lembrados em diversas votações, mas os critérios não são meus. Tá aí, pela força dos números, os gibis que são mais lembrados em rankings – mas nada impede de você opinar, sugerir, enfim: fazer o seu próprio ranking! Que tal? Assim a gente descobre de quais gibis você é fã e, quem sabe, a gente não fala deles aqui no Popsfera logo, logo?!

Avalie a matéria

Raul Kuk o Mago Supremo

Raul Kuk - o Mago Supremo. Pai de uma Khaleesi, tutor de uma bruxa em corpo de gata.