O Hulk do MCU – Suas polemicas e porque tanta coisa é desconsiderada

Sem dúvida nenhuma, o Incrível Hulk é um dos personagens mais conhecidos da Marvel. Criado em 1962 por Stan Lee e Jack Kirby, o gigante verde teve sempre uma grande empatia com o publico por representar o “monstro interior” de cada um de nós. No decorrer dos anos as histórias do Golias Esmeralda, em sua grande maioria, tiveram uma grande carga dramática.

Então porque temos a impressão de que o personagem é mal aproveitado no MCU – Marvel Cinematic Universe – Sendo relegado muitas vezes a alivio cômico?

A negociação dos direitos

Quando a Marvel passou por uma grande crise econômica, teve de vender os direitos de vários personagens (X-Men, Homem Aranha, Quarteto Fantástico, etc). Foram vendas separadas para estúdios diferentes. Na época, isso não parecia ser um problema pois nem se cogitava a ideia de um universo compartilhado no cinema. Com isso, os direitos de produção e distribuição do Hulk foram adquiridos pela Universal Pictures.

O Hulk de Ang Lee

Em 2003, o diretor Ang Lee trouxe sua versão do Hulk para os cinemas. Com Eric Bana na pele de Bruce Banner e com o monstro crescendo exponencialmente a cada cena (sim, em um momento ele deve alcançar uns 6 metros de altura) o filme teve todo tipo de critica ruim. O roteiro era complicado, atuações horrorosas e efeitos toscos mesmo para a época.  O elenco tinha Jennifer Connelly como Betty Ross, Sam Elliott como Thunderbolt Ross e Nick Nolte como Brian Banner, o pai abusivo de Bruce. Custou cerca de US$ 137 milhões e arrecadou US$ 245 milhões. Isso foi considerado um fracasso, com justiça.

O Hulk de Edward Norton

A Marvel no final dos anos 2000 já tinha uma graninha no bolso e readquiriu os direitos de produção do Hulk, porém, não os direitos de distribuição. Estes ainda eram (e são até hoje) da Universal. Com direção de Louis Leterrier e o roteiro creditado a Zak Penn, mas na verdade quase todo reescrito por Edward Norton, fã do personagem e que já havia sido cogitado para o papel principal do filme de 2003, veio aos cinemas em 2008 O Incrível Hulk. Norton mandou e desmandou no filme e o resultado final não foi tão ruim. Tinha ainda a maravilhosa Liv Tyler no papel de Betty Ross e Tim Roth como o Abominável. Foi realmente um Hulk muito mais próximo dos quadrinhos tanto em roteiro e também visualmente, mas o filme acabou com um problema sério de edição, afetando a bilheteria, com o filme arrecadando pouco mais de US$260 milhões.

Mas a Marvel já tinha dado a largada com o Homem de Ferro, e o Nick Fury de Samuel L. Jackson tinha prometido que teríamos a Iniciativa Vingadores, então havia planos para uma sequência.

Norton, a princípio, continuaria no papel do Hulk, porém, acabou abandonando o papel alegando “não querer ficar marcado com o personagem” e que também “não teria disponibilidade de agenda para se envolver numa franquia desse porte”. Na verdade, os problemas começaram já nas gravações de O Incrível Hulk, onde Norton foi acusado de ser um ator “difícil”. Conversas de bastidores alegam que suas cenas prediletas foram cortadas e teve diversas diferenças criativas com a Marvel Studios. Depois da compra do estúdio pela Disney a coisa degringolou de vez e não houve acordo entre as partes.

Disney e Mark Ruffalo

Ruffalo foi a aposta da Disney para substituir o “difícil” Norton. A empresa ainda tinha o entrave financeiro com a Universal, afinal, grande parte dos lucros vem da distribuição dos filmes e isso AINDA é da Universal. Portanto, dificilmente veremos uma produção solo do Hulk.

Já pen$ando nisso, foi introduzido um novo ator para viver Banner/Hulk – Mark Ruffalo. Até então mais conhecido por comédias românticas, nunca foi uma unanimidade entre os fãs mas cumpre bem o que lhe é designado. Ao contrário de seu antecessor, não coloca barreiras na estratégia Disney que, impossibilitada de lucrar (muito) com um filme solo, incorpora arcos do Hulk nos outros filmes da franquia – Como ocorreu em Thor Ragnarok onde a saga Planeta Hulk foi inserida (de maneira ruim em minha humilde opinião).

O romance com Betty Ross, presente nos filmes da Universal, também foi meio que deletado, apesar de O Incrível Hulk ser canônico no MCU. Este foi substituído por um velado affaire com a Viúva Negra, tão insosso quanto descartável.

O personagem, em sua essência tão amargurado e empático, faz escada e serve de alivio cômico, como vimos em Vingadores e Thor Ragnarok. Outras vezes, não é utilizado como força brutal – como em Guerra Infinita.

Aliás, porque raios o Hulk aparentou medo (logo ele) em Guerra Infinita? Porque foi vencido tão facilmente NA PORRADA pelo Thanos? Qual a estratégia dos roteiristas para quem sabe, realmente nos trazer um Hulk digno em Vingadores Ultimato, o filme mais esperado dos últimos anos e que teve estreia em 25 de Abril?

Esperemos, meus caros, esperemos…

Avalie a matéria

Fabiano Souza

CAPITÃO no meio campo, escreve textos e destrói falsos deuses antes do café da manhã