Jim Lee fala sobre as mudanças na DC!

Jim Lee finalmente veio a público, colocando fim a uma série de boatos e rumores que surgiram após as demissões que ocorreram esta semana no grupo Warner.

Em uma longa entrevista do The Hollywood Reporter, o editor da DC tratou de diversos temas, inclusive o novo direcionamento da editora, e conseguimos pinçar alguns temas bem relevantes.

DC Comics continuaria a publicar quadrinhos?

Um dos rumores foi de que a DC iria licenciar os personagens para serem publicados em outras editoras, comportamento semelhante ao que a King Features faz com Fantasma, Mandrake e Príncipe Valente. Ao ser perguntando sobre o tema, Jim Lee enfatizou que a DC continuaria a publicar quadrinhos, só que de maneira otimizada.

“Ainda é a pedra angular de tudo o que fazemos. A necessidade de contar histórias, atualizar a mitologia, é vital para o que fazemos. A organização conta conosco para compartilhar e estabelecer os elementos significativos do conteúdo que eles precisam usar e incorporar em todas as suas adaptações. Quando pensamos em alcançar o público de maneira global e vemos os quadrinhos como uma forma de ajudar a gerar essa consciência e essa marca internacional, isso faz parte do nosso futuro.”

Dito isso, Lee informou que haveria uma redução de 20% a 25% dos gibis em banca. Uma redução drástica em relação ao padrão de lançamentos de uma editora americana de grande porte. Agora cada gibi lançado terá que trazer uma importância significativa e a questão de lucros também é relevante, afinal nenhuma empresa gosta ou quer perder dinheiro.

Duas promoções para a vaga de Bob Harras

Como forma de oficializar o novo organograma hierárquico da editora, Lee oficializou que a DC promoveu Marie Javins e Michelle Wells para a vaga que era ocupado por Bob Harras.

“Achamos que seria uma ótima combinação reuni-las para ajudar a redigir e organizar o conteúdo que estamos fazendo ao longo dessas linhas de trabalho”.

Um novo Gerente Geral

“Estamos trazendo um gerente geral para a organização. Minha função, da forma como era imaginada há 10 anos, era que eu sempre tivesse um parceiro que se concentrasse no lado operacional. O gerente geral que estamos trazendo tem uma vasta experiência em marketing, parceria global e em desenvolvimento de negócios no geral. Essa pessoa vai começar em setembro”.

A editora ainda não emitiu um comunicado oficial sobre este novo gerente geral que será o braço direito de Lee, mas espera-se que seja um funcionário ligado ao mundo do e-sports.

Jim Lee continua como publisher da editora

Apesar dos rumores levantados no decorrer da semana e amplamente disseminado pela imprensa, Jim Lee mantém seu cargo de publisher e com outras atribuições.

“Tenho mais responsabilidades e mais expectativas do que nunca. Tenho tido conversas com Jason Kilar (CEO da WarnerMedia), Ann Sarnoff (CEO da Warner Bros.) e minha chefe, Pam Lifford, e eles têm algumas metas muito ambiciosas para DC e estou animado por estar incluído. Vou continuar intimamente envolvido com a publicação como sempre estive desde o início. Nada mudou. E isso é focar no conteúdo criativo, na estratégia de conteúdo de quantas publicações devemos lançar, e nos seus formatos”.

Novos distribuidores de quadrinhos

Após a DC romper com a Diamond, a editora estimulou a abertura de mercado com a contratação de duas novas distribuidoras e muito se especulou esta semana de que eles não trouxeram o retorno desejado.

“Não apenas superou nossas expectativas iniciais, mas o tamanho e a força do negócio estão no mesmo nível ou mais elevados do que antes do COVID. Havia muito medo espalhado por aí que seria outro desastre tipo o Heroes World que ocorreu décadas atrás; não há nada mais longe da verdade. As coisas mudaram muito suavemente – isso não quer dizer que não haja problemas que precisam ser resolvidos. UCS e Lunar fizeram um trabalho incrível na transição de todo o conteúdo que produzimos e os colocando em novos processos e levando para aos varejistas”.

Vendas de Three Jokers surpreendem

Sucesso comercial impressiona Warner

A primeira edição de Three Jokers vendeu cerca de 300.000 cópias, impressionando a editora e mostrando que este material tem muito potencial comercial. Pesa ainda o fato de que a graphic novel escrita por Geoff Johns custa $8 dólares.

Universo Milestone de volta!

Universo Milestone
Retorno do universo Milestone é muito aguardado

Lee também mencionou em sua entrevista que o universo Milestone estará de volta em pouco tempo.

Isso corrobora o que Denis Cowan comentou em uma recente entrevista ao CBR: se não fosse o Covid, já teríamos alguns gibis do selo Milestone na praça.

AT&T odeia quadrinhos e quer acabar com a DC?

“Não acho que eles queiram nos impedir de publicar quadrinhos. Os quadrinhos servem a muitos propósitos diferentes e um deles é uma ótima maneira de incubar ideias e criar as próximas grandes franquias. Queremos continuar com isso. Por que você quer parar com isso? Por que você gostaria de parar de criar um ótimo conteúdo que pudesse ser usado em toda a empresa? ”.

DC Universe x HBO MAX

HBO MAX
O grande lançamento precisa brilhar no grupo Warner

Em relação aos dois streamings que estão na ativa hoje, o DC Universe e o HBO Max, todas as produções originais do primeiro estão sendo migradas para o serviço que está sendo lançado, pois, é uma plataforma melhor e estará reunindo todo o acervo do grupo Warner de maneira única.

O DC Universe passará por uma reformulação que será divulgada nos próximos meses.

Nova DC terá um foco diferenciado no digital

Quando comentado onde vê a DC Comics em 2 anos, Jim Lee foi enfático ao afirmar que os planos da editora são ambiciosos e que estão indo para um lado comercialmente mais otimizados, porém de olho no público internacional. O que isso quer dizer?

Um foco muito maior na publicação de gibis digitais e conforme estes forem sucesso de vendas, serão impressos. O editor trouxe a público a experiência bem-sucedida com os gibis de Injustice para exemplificar esta nova abordagem.

“Um bom exemplo disso é Injustice, os quadrinhos digitais ligados ao videogame. Quando saiu, foi o quadrinho digital mais vendido do ano, superando o Batman. E trouxe muitos fãs para o nosso negócio. E quando pegamos esse conteúdo e o reimprimimos em forma física, vendemos centenas de milhares de unidades. Foi um sucesso tanto físico quanto digital”.

Este, portanto será o modelo de negócios que a editora estará abraçando. Um modelo que privilegia a HQ digital com impressão de encadernados.

“Vamos usar isso como modelo enquanto fazemos mais conteúdo digital. Vamos pegar os gibis digitais que forem mais bem-sucedidos e relançá-los como gibis físicos. Dito isso, acho que há um lado positivo maior no digital porque podemos ir a um público mais global e a barreira de entrada, especialmente nesta pandemia, é menor. É muito mais fácil colocar conteúdo digital nas mãos de consumidores que desejam ler histórias.”.

Com este posicionamento centrado e bem definido, Jim Lee conseguiu trazer tranquilidade não só para os fãs, mas para os acionistas que investem no grupo Warner. O silêncio não poderia reinar em meio ao caos que se instaurou com as demissões de quase mil funcionários no começo desta semana, principalmente com a aproximação do evento DC Fandome.

E então popnauta, o que achou? Está mais tranquilo? Respiramos aliviados aqui e torcemos para tudo dar certo nessa transição de modelo de negócios.

Avalie a matéria

Puyol Miranda

Uma simples testemunha da humanidade, que presencia todos os dias as grandes maravilhas de Deus. Além de presenciar o mais lindo momento de uma etapa de crescimento, me tornar pai. Sou analista de ti, leitor de quadrinhos, decenauta convicto e amante da tecnologia.