Dragon’s Dogma chegou ao Netflix

A Netflix lançou, no último dia 17/09, mais um anime: Dragon’s Dogma! Inspirado em um interessante RPG medieval lançado em 2012 pela Capcom, Dragon’s Dogma chega como uma ótima novidade para quem curte animes e para quem gostou do game.

Escrito por Kurasumi Sunayama, mesmo roteirista de Monster – de 2004, anime muito bem avaliado – Dragon’s Dogma se mantem fiel aos acontecimentos presentes no game original e conta com 7 episódios.

Neles, conhecemos Ethan, habitante de uma cidade pequena, com sua esposa Olivia aguardando a chegada de um bebê e tendo a companhia de Louis, um órfão amigo da família.

Ethan e sua esposa Olivia

Tudo muda quando um Dragão ataca a cidade, dizimando todos em seu caminho. Ethan vê Louis ser devorado e sua esposa ser incinerada, pouco antes de ter seu coração engolido pela fera. Entretanto, ele não morre, se tornando o Ressurgido – pessoa cujo coração é tomado por um Dragão e que tem a missão de acabar com o monstro para que, assim, recupere o órgão. Ele também recebe a ajuda de um peão, uma entidade que o acompanhará nessa missão.

O bichinho alado cuspidor de fogo
Peão?

Cada um dos 7 episódios tem como base um dos pecados capitais e o roteiro acerta em cheio nas analogias, tornando densas cada ação ou decisão tomadas por Ethan e os outros personagens e também mostrando um mundo cruel e violento. Há várias cenas de nudez e sexo que, somando-se à atmosfera pesada da narrativa, deixam claro que o anime é endereçado ao público adulto.

Ethan, literalmente com sangue nos olhos pra encontrar o Dragão

O final, para quem não conhece o game, é fora do padrão comum e a única ressalva fica por conta da duração dos episódios. Muito curtos, variando entre 19 e 32 minutos, acabam apressando a narrativa e deixando a sensação de que certos aspectos poderiam ter melhor desenvolvimento. Mesmo assim é uma grata surpresa, pois não vemos tantas adaptações de games com temática tão pesada. Vale a pena assistir!

Avalie a matéria

Fabiano Souza

CAPITÃO no meio campo, escreve textos e destrói falsos deuses antes do café da manhã