Doom Patrol S02E07: A Patrulha Idiota!

Imagine seres microscópicos, que podem estar no ar ao seu redor, infectando sua mente com… más ideias! Isso mesmo, as piores, mais estúpidas e idiotas ideias, invadindo sua cabeça e, lentamente, te levando a fazer coisas como performar uma cirurgia em uma completa estranha!

“O que tem nessa caixa? Cloroquina?”

O sétimo episódio da segunda temporada de Doom Patrol brinca com o conceito dos Scants, criaturas que implantam ideias idiotas na sua cabeça e se alimentam disso. Parece idiota? Então você pegou o espírito da coisa. Não surpreendentemente, o episódio é brilhante em desenvolver os personagens, surpreender o público e terminar com um gancho espetacular para a próxima semana!

Miranda, a personalidade-agora-no-controle de Jane Maluca, começa dando um bom conselho: que o Capitão Larry Trainor dê um pouco de espaço para sua família. Uma vez infectados, eles tentam entrar sorrateiramente no hospital – usando apenas um jaleco.

O namoro de Vic e Roni parece estar indo bem, até que o Cyborg sugere fazer pessoalmente a cirurgia para remover a tecnologia militar do corpo dela. Isso dá bastante espaço para o ator Joivan Wade mostrar versatilidade – algo que ele nunca teve muitas oportunidades na série. É divertido ver os personagens agindo de maneira idiota, tomando decisões estúpidas e encarando tudo com um enorme sorriso (bom, exceto no caso do Homem-Negativo, claro).

“E pensar que eu tava perdendo tempo no filme da Liga…”

Não sei se já elogiei suficientemente a atuação de April Bowlby como Rita Farr, a Mulher Elástica. Ela está lidando, cada vez com mais dificuldades, com as memórias reprimidas sobre sua mãe, que voltaram num verdadeiro tsunami. É tocante vê-la tentando se provar, tentando superar o que (ela acredita que) sua mãe fez dela e como toda sua determinação desmorona diante do fato de que ela não pode mudar o passado.

Um adendo: ela é superada nesse episódio por Diane Guerrero, que faz uma Jane (sob controle da personalidade Miranda) transparecer mais qualidades do que simplesmente a caricatura de cada uma de suas facetas. Provavelmente ela se junte a Bowlby e Timothy Dalton como um dos grandes destaques da série.

Também tivemos o Homem-Robô caindo na Terra – esse parece ter ficado imune a qualquer ideia idiota que não tenha saído de sua própria cabeça, e jurando vingança contra Niles Caulder. E o que se passa na cabeça do Chefe? Bom… Com a volta de Willoughby Kipling, começamos a ter uma ideia dos planos do mentor da Patrulha do Destino para sua filha Dorothy – e sem usar de violência, cenas explícitas ou gratuitas, o que tivemos foi o final mais aterrorizante que a série já teve até aqui.

Os piores heróis do mundo!

Doom Patrol segue brilhante em seus episódios temáticos e em mostrar pessoas quebradas tentando superar seus traumas sob uma fachada de normalidade, felicidade e força. É contundente para os tempos atuais, é comovente por mostrar pessoas não muito diferentes de nós – e corajosa por fazer de uma série de super-heróis algo muito maior do que “esmurrar o vilão da semana”. É a oitava maravilha do mundo? Não, longe disso. Mas vale o tempo investido nela. E isso não é pouca coisa.

Avalie a matéria

Raul Kuk o Mago Supremo

Raul Kuk - o Mago Supremo. Pai de uma Khaleesi, tutor de uma bruxa em corpo de gata.