CLÁSSICO DO DIA : BLIND FAITH – PRESENCE OF THE LORD

Após o fim do Cream em 1968, Eric Clapton teve que buscar novos rumos para sua carreira. De sessões de improviso informais com seu amigo Stevie Winwood, tecladista e vocalista da banda Traffic, surgiu o embrião de seu próximo projeto, o Blind Faith. A ideia ganhou tração quando Winwood trouxe o baterista Ginger Baker para tocar com os dois. Clapton precisou ser convencido, no entanto. Baker fora seu colega no projeto anterior e o guitarrista não queria reviver as tensões que marcaram o fim do grupo e nem tampouco lidar novamente com as expectativas comerciais e artísticas que fatalmente seguiriam a um grupo que mais parecia uma nova e vitaminada versão do Cream. Ainda assim, acabou acedendo. O baixista Rick Grech completou o quarteto. Após pouco tempo de ensaio o grupo saiu em excursão. Clapton logo se viu na armadilha que tanto temera, atrelado a um conjunto que tocava de uma maneira pseudo- virtuosística pretensiosa e dentro do contexto cheio de adulação de um super-grupo. Não chega a ser surpreendente que o Blind Faith tenha somente apenas um ano, lançando apenas um disco. Ainda assim, legou diversos clássicos que fariam parte dos repertórios de Clapton e Winwood pelas próximas décadas.

Avalie a matéria